19 de julho de 2018
Por Palmir
Pão mais antigo do mundo tem receita de 14 mil anos revelada por arqueólogos

Formato seria parecido com um pão achatado, como o pita, e o gosto lembraria o de multigrãos atual

Pegue a farinha feita de trigo e cevada selvagens, misture com raízes trituradas de plantas, adicione água e asse.

Segundo os cientistas, essa é a receita do pão mais antigo do mundo, com mais de 14 mil anos.

Homem e mulher compartilham cereais
Ali Shakaiteer e a pesquisadora Amaia Arranz-Otaegui recolhem amostras de cereais na área onde a descoberta foi feita – Joe Roe

Seu formato para assar seria parecido com o de um pão achatado e o gosto parecido com o do pão multigrãos dos dias atuais.

Nossos antepassados podem ter usado esse pão para enrolar a carne ao assá-la. Assim, ele também pode ter sido o sanduíche mais antigo.

“Esta é a primeira evidência que temos do que poderíamos chamar de cozinha, com um produto misto de alimentos”, diz o professor Dorian Fuller, da UCL (University College London), à BBC News.

“Eles têm pães ázimos [sem fermento] e têm gazela assada e assim por diante, e isso era algo que estavam usando para fazer uma refeição.”

O pão tem sido parte da nossa dieta básica, mas pouco se sabe sobre as origens da panificação.

Até agora, a mais antiga evidência de pão datava de 9 mil anos, da Turquia.

Mas arqueólogos acabam de descobrir evidências de panificação feita há 14 mil anos em um sítio arqueológico no deserto negro da Jordânia.

Segundo estudo publicado na revista científica PNAS, os cientistas descobriram dois edifícios, cada um contendo uma grande lareira de pedra circular dentro da qual foram encontradas migalhas de pão carbonizadas.

Mulher dentro de um tanque
Otaegui tentra reproduzir a receita transformando raízes de plantas em farinha – Alexis Pantos

Analisadas com microscópio, as amostras de pão tinham sinais de moagem, peneiramento e amassamento.

A doutora Amaia Arranz-Otaegui, da Universidade de Copenhague, que descobriu os restos do pão, disse que isso era a última coisa que esperavam encontrar no local.

“O pão é um elo poderoso entre nossas culturas alimentares passadas e presentes”, diz ela. “Isso nos conecta com nossos ancestrais pré-históricos.”

O alimento teria sido feito em vários estágios, incluindo “moer cereais e tubérculos para obter farinha fina, misturar farinha com água para produzir massa e assar a massa nas cinzas quentes de uma lareira ou em uma pedra quente.”

RECEITA DO PÃO JORDANIANO DE 14 MIL ANOS ATRÁS

O preparo começa com farinha de trigo e de cevada selvagem. Em seguida, acrescenta-se as raízes de plantas selvagens que crescem na água.

Aos ingredientes, mistura-se com água para virar uma massa, que depois é assada em pedras quentes ao redor do fogo.

CAÇADORES E COLETORES

As pessoas que viviam há 14 mil anos na área da Jordânia onde os restos de pão foram achados eram caçadores. Eles caçavam gazelas e animais menores, como lebres e aves. E também buscavam alimentos vegetais, como nozes, frutas e cereais silvestres.

Os pesquisadores dizem acreditar que o pão foi feito quando as pessoas se reuniam para algum tipo de celebração. Isso aconteceu antes do advento da agricultura, quando as pessoas começaram a cultivar cereais e a criar animais para se alimentar.

Pesquisadores ao redor de forma circular no chão
A espécie de lareira onde os restos do pão foram achados em um sítio arqueológico chamado Shubayqa 1 – Alexis Pantos

Isso levanta a intrigante possibilidade de que o cultivo de cereais para pão possa ter sido a força-motriz por trás da agricultura.

“O significado deste pão é que ele mostra investimento de esforço extra para produzir alimentos que tenham ingredientes misturados. E fazem uma espécie de receita”, diz Fuller. “Isso implica que o pão desempenhou um papel especial para ocasiões especiais. E isso, por sua vez, sugere uma das possíveis motivações para, mais tarde, as pessoas escolherem cultivar e domesticar o trigo e a cevada, porque eles já eram espécies que tinham um lugar especial em termos de alimentos especiais.”

O pão era sem fermento e teria se assemelhado a um envoltório, a uma espécie de pão pita ou chapati (indiano).

Pesquisadores tentaram reconstruir a receita no laboratório. Eles dizem que os grãos misturados deram ao pão um sabor de nozes, muito parecido com os pães multigrãos de hoje.

Lara Gonzalez Carretero, especialista em pão pré-histórico do Instituto de Arqueologia da UCL, examinou as 24 migalhas sob um microscópio eletrônico.

Migalha de pão encontrada por pesquisadores
As migalhas do pão encontrado foram analisadas com microscópio – Amaia Arranz-Otaegui

“Isso seria um pão feito de trigo selvagem e farinha de cevada selvagem, misturado com água e cozido em uma lareira”, diz. “Há também a adição de farinha de tubérculo selvagem, o que lhe confere um sabor levemente amargo e amargo.”

Rua Paraíbuna, 179 - Vila Sobrinho

Fone/Fax: 67 3361.7333

CEP: CEP: 79.110-023

Campo Grande/MS