14 de maio de 2021
Por Palmir
Ressocialização e geração de renda: panificadora do Presídio da Gameleira entra em funcionamento

Idealizada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por meio da 2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande, a padaria do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, entrou em funcionamento na última quarta-feira (12).

Conforme o juiz Albino Coimbra Neto, responsável pelo projeto, ao todo foram investidos em torno de R$ 210 mil na construção e adequação de local e na compra de maquinários de panificação.

O projeto é desenvolvido por meio de parcerias entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), TJMS e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

“Graças a essas parcerias e as empresas que acreditam no ser humano e no trabalho dessas pessoas, que conseguimos colocar em prática projetos como este. Hoje temos aqui em torno de mil presos trabalhando e queremos que eles tenham no trabalho a esperança de um futuro melhor”, destacou o titular da 2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande.

A padaria da Gameleira conta com forno turbo, cilindro profissional, modeladora para pães, amassadeira espiral com capacidade para 25 kg, câmaras para crescimento de pães, assadeiras de alumínio, mesas de inox, balança elétrica, divisora de massa, congelador horizontal, esteiras para pão francês, câmara para 40 assadeiras, bebedouro e câmara climática.

Para trabalhar no local, os reeducandos terão de passar por uma capacitação em panificação e manipulação de alimentos, que será ministrada por docentes do Senac. E ainda, apreender um pouco sobre empreendedorismo com os professores da UFMS. “Eles terão aulas sobre gestão de pessoas, funcionamento e gestão financeira de um pequeno negócio ou empreendimento, a montar currículos. Tudo isso está inserido em um projeto de extensão que contará com dois módulos anuais, ministrados por professores altamente capacitados”, destacou o Pró-Reitor de Esporte Cultura e Lazer da UFMS, Marcelo Fernandes Pereira.

A estimativa é produzir aproximadamente 2 mil pães por dia, a metade irá atender a demanda interna da Gameleira e a outra metade será doada a instituições sociais, como a Central Única de Favelas (Cufa). “O principal objetivo é gerar vagas de trabalho aos reeducandos, bem como, capacitação profissional ao mercado de trabalho, ao mesmo tempo, em que contribui com a questão social”, assegura o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira.

Para Silmara Félix, representante do Sistema Carcerário da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso do Sul, o maior legado do projeto é a ressocialização. “A partir desse trabalho que os reeducandos iniciam no regime semiaberto, eles tem a possibilidade de criar uma oportunidade futura de emprego, porque aqui eles vão ter uma qualificação técnica e aprender uma nova profissão”, lembra.

 

 

O reeducando Erivaldo Barbosa Venâncio diz que com a padaria está tendo a oportunidade de aprender uma profissão. “Outrora a gente não tinha profissão, não tinha estudo, mas graças a Deus as portas estão se abrindo, aos poucos a gente vai se integrando a sociedade e quando sair daqui poderemos viver em paz e cuidar da família”.

“É uma padaria inteligente, que não apenas possibilita a ressocialização por meio do trabalho com a produção de pães, como gera renda e permite ainda a remissão de pena”, conclui o diretor-presidente da Agepen, Aud Oliveira Chaves.

Joelma Belchior, Sejusp
Fotos: Edemir Rodrigues

Rua Paraíbuna, 179 - Vila Sobrinho

Fone/Fax: 67 3361.7333

CEP: CEP: 79.110-023

Campo Grande/MS